INDÍCIOS DE UMA DISPERSÃO

RUÍNAS IDENTITÁRIAS EM TRÊS POEMAS DE MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO

  • João Pedro Wizniewsky Amaral Universidade Federal de Santa Maria
  • Cássius Selvero Pazinato Universidade Federal de Santa Maria
  • Evelise Pereira Universidade Federal de Santa Maria
  • Letícia Dias Universidade Federal de Santa Maria

Resumo

Mário de Sá-Carneiro foi um poeta expoente do modernismo português cuja obra tem a identidade como um dos temas mais recorrentes. Nesse estudo iremos investigar como a noção de identidade é representada de forma desintegrada na obra do autor, a partir da análise de três poemas: “Ângulo”, “7” e “Escavação”. Os poemas foram analisados individual e comparativamente, levando em conta os planos temático, sonoro, estrutural, semântico e sintático. Entendemos que os três poemas dialogam intimamente entre si em todos esses planos analíticos quando tomamos por base a temática da desintegração da identidade e ruína de si mesmo. Entendemos, ainda, que a ideia de desintegração identitária está acompanhada de uma sensação de não-pertencimento, tanto em relação ao mundo quanto em relação a si mesmo: por vezes o eu-lírico não se vê nele mesmo e nem em um outro.

Palavras-chave: identidade; poesia portuguesa; Mário de Sá-Carneiro;

Publicado
2020-03-21
Seção
Artigos vários