A CONSTRUÇÃO DO NACIONALISMO EM GONÇALVES DE MAGALHÃES

  • ARIEL ELIAS DO NASCIMENTO UFMT / DOUTORANDO EM ESTUDOS LITERÁRIOS UFT / PROFESSOR DO CURSO DE HISTÓRIA
  • MÔNICA MARIA DOS SANTOS
  • MOISÉS CARLOS AMORIM
Palavras-chave: Poesia Brasileira, Conceito de nação, Romantismo

Resumo

A geração que iniciou o Romantismo no Brasil se organizou com um trabalho artístico e reformador em torno da pátria, sendo responsável por refletir sistematicamente a identidade nacional, preconizando o estudo acerca do Brasil. Tal geração despontava, no início do século XIX, influenciada pelos ideais estéticos revolucionários, surgidos na Alemanha e na França. Mas o romantismo foi, sobretudo, um movimento de transformações político-sociais, que mudaram as relações estruturais mais objetivas do ocidente. Gonçalves de Magalhães, com a obra Suspiros Poéticos e Saudades (1836), deu início ao movimento romântico e a transformação estética. Embora tivesse um espírito conservador, calcado em heranças neoclássicas, foi ele um importante escritor da época, pois consolidou as diretrizes da estética nacionalista: religião, saudosismo, cor local – três aspectos que o leitor encontra em seu livro. O grupo de Magalhães promoveu a revolução estética, criando uma revista -“Niterói” (revista brasiliense), órgão difusor de ciência e arte. Desde o início, o poeta esteve empenhado no trabalho de pesquisa acerca do Brasil, para em versos cantar a terra e louvar a pátria. Analisamos neste paper como o trabalho a produção literária de Gonçalves de Magalhães delineia a construção do conceito de nação no Brasil oitocentista, para tanto utilizamos uma pesquisa bibliográfica que analisa o livro de poesias Suspiros poéticos e saudades a parir das teorias de Cândido (2014), Anderson (2008), Detienne (2013), Benjamin (1994/2018), Said (2011), dentre outros autores.

Biografia do Autor

ARIEL ELIAS DO NASCIMENTO, UFMT / DOUTORANDO EM ESTUDOS LITERÁRIOS UFT / PROFESSOR DO CURSO DE HISTÓRIA

Professor do Curso de História da Universidade Federal do Tocantins - UFT.

Doutorando em Estudos Literários da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT.

Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil República e História Contemporânea, atuando principalmente nos seguintes temas: Cultura, Globalização, Identidades e seus Espaços de Memória na Contemporaneidade.

Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. <http://www.academia.org.br/>

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Vol. I. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Vol. II. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

CÂNDIDO, Antonio. Literatura e sociedade/Antonio Cândido de Mello e Souza/13 ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul/2014.

CÂNDIDO, Antonio. Romantismo no Brasil. São Paulo. FFLCH – FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS, 2012. Disponível em: <http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/Autores/Candido,%20Antonio/O%20Romantismo%20no%20Brasil%20-%20Antonio%20Candido.pdf>. Acessado em 12 de setembro de 2018.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL; Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1990.

DETIENNE, Marcel. A identidade nacional, um enigma. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

FARIA, Maria Alice de Oliveira. “Os brasileiros no Instituto Histórico de Paris”. in. Revista do IHGB, vol. 266. Rio de Janeiro, 1965.

GUINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HOBSBAWM, Eric. RANGER, Terence. A invenção das tradições. Tradução de Celina Cardim Cavalcanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO. <https://www.ihgb.org.br/>

MACHADO, Alcântara. Gonçalves de Magalhães ou o romântico arrependido. São Paulo: Saraiva e Cia., 1936.

MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves de. Episódio da Infernal Comédia ou da minha Viagem ao Inferno. Paris: Beaulé et Jubin, 1836.

MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves (et. all.). NITHEROY, Revista Brasiliense: sciencias, letras e artes. Tomo Primeiro, n. 1. Paris: Dauvin et Panoramas, 1836a.

MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves (et. all.). NITHEROY, Revista Brasiliense: sciencias, letras e artes. Tomo Primeiro, n. 2. Paris: Dauvin et Panoramas, 1836b.

MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves de. Poesias. Rio de Janeiro: Typographia R. Ogier, 1832.

MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves de. Suspiros poéticos e Saudades. Paris: Beaulé et Jubin, 1836c.

PINASSI, Maria Orlanda. Três devotos, uma fé, nenhum milagre: um estudo da Revista Niterói, 1836. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas: UNICAMP, 1996. Tese de Doutoramento.

SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

Publicado
2019-09-10