Os pronunciamentos presidenciais de posse: efeitos de auctoridade nos anos de chumbo e na reabertura política no Brasil

  • Marcelo Giovannetti Ferreira Luz Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR)
Palavras-chave: Sujeito. Pronunciamento presidencial

Resumo

Tomando como ponto de partida quatro pronunciamentos de posse dos presidentes da República do Brasil, mais especificamente, dois dos anos de chumbo da ditadura e dois imediatamente subsequentes à reabertura política brasileira, quais sejam, respectivamente, o dos presidentes Marechal Castelo Branco e do Marechal Arthur da Costa e Silva, e dos presidentes José Sarney e Fernando Collor de Melo, propomo-nos a analisar de que modo se constitui a imagem discursiva desses sujeitos enquanto autores desses pronunciamentos, ou seja, buscaremos analisar como as marcas linguísticas podem caracterizar especificamente, em cada caso, tais pronunciamentos de tal forma que se configure um efeito de auctoridade desses sujeitos sobre seus textos. Para tanto, buscaremos nos alicerçar em pressupostos da Análise de Discurso como trabalhada por Eni Orlandi, no que tange à questão da função autor, em contraposição ao que afirma Foucault sobre ser autor, bem como no trabalho de Bénédicte Vauthier, sobre a questão da auctoridade. Dessarte, promoveremos uma melhor compreensão dos efeitos de sentido de autoria e a produção de efeito de sentido de auctoridade nos pronunciamentos supracitados, tendo em vista condições de produção bem distintas, grosso modo, Regime Ditatorial e Abertura Política.
Publicado
2015-04-01
Como Citar
Luz, M. (2015). Os pronunciamentos presidenciais de posse: efeitos de auctoridade nos anos de chumbo e na reabertura política no Brasil. Revista Eletrônica De Estudos Integrados Em Discurso E Argumentação, 3(1). Recuperado de https://periodicos.uesc.br/index.php/eidea/article/view/409
Seção
Artigos