Afinal, quem vive sem a secretária? Uma análise crítica sobre a construção discursiva da identidade da secretária em textos midiáticos

Palavras-chave: Construção discursiva, Estereótipo, Identidade, Secretária

Resumo

A temática deste artigo se concentra na construção discursiva da identidade da secretária em contexto midiático. O objetivo consiste em analisar de que maneira a identidade da secretária é moldada em textos publicitários contemporâneos e antigos. Para tanto, o corpus da pesquisa é constituído de três textos extraídos de fontes diversas. O embasamento teórico-metodológico abarca o conceito tridimensional de discurso da Análise Crítica do Discurso (ACD) de Fairclough (2001), o signo ideológico de Bakhtin/Volóchinov (1979), bem como busca apoios na teoria da argumentação de Perelman e Olbrechts-Tyteca (2005). Os resultados mostram que a figura da secretária ainda é bastante estereotipada no meio publicitário, com discursos enraizados no senso comum. Conclui-se que a identidade dessa profissional associada à beleza, à sensualidade e à passividade decorre da reprodução de discursos que perpassam pela sociedade, não sendo possível considerá-los uma realidade absoluta.

Biografia do Autor

Luan Tarlau Balieiro, Universidade Estadual de Maringá

Mestrando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), vinculando-se à linha de pesquisa Políticas e Gestão em Educação. Especialista em Docência na Educação Superior pelo Centro Universitário Metropolitano de Maringá (UNIFAMMA) e em Libras pela mesma instituição. Graduado em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), com habilitação em Língua Portuguesa e Literaturas Correspondentes. 

Dulce Elena Coelho Barros, Universidade Estadual do Paraná

Professora Associada B, TIDE, na Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR - Campus de Paranaguá). Doutora em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB). Mestra em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp/Araraquara). Graduada em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. 5.ed. Tradução: Joaquim José de Moura Ramos. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1991.

BAKHTIN, Mikhail. (VOLOCHINOV). Marxismo e filosofia da linguagem: Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução: Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. Prefácio: Roman Jakobson. Apresentação: Marina Yaguello. São Paulo: Hucitec, 1979.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução do russo: Paulo Bezerra. 5.ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010a.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética. Tradução do russo: Aurora Fornoni Bernardini et al. 6.ed. São Paulo: Hucitec, 2010b.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução: Maria Helena Kuhner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRAIT, Beth; MELO, Rosineide de. Enunciado/enunciado concreto/enunciação. In: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005. p. 61-78.

BRASIL, Luciana Leão. Michel Pêcheux e a teoria da análise de discurso: desdobramentos importantes para a compreensão de uma tipologia discursiva. Linguagem – Estudos e Pesquisas, Catalão, v. 15, n. 1, p. 171-182, jun. 2011. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/lep/article/view/32465. Acesso em: 27 maio 2021.

CHOULIARAKI, Lilie; FAIRCLOUGH, Norman. Discourse in late modernity: Rethinking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

DIETERICH, Bárbara Regina; FERRO, Jeferson. Perfil de liderança e identidade do profissional de secretariado executivo. Secretariado Executivo em Revist@, Passo Fundo, n. 8, p. 52-61, dez. 2012. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/ser/article/view/3025. Acesso em: 27 maio 2021.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Tradução: Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FIORIN, José Luiz. Interdiscursividade e Intertextualidade. In: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006. p. 161-193.

HALLIDAY, Michael A. K. Introduction to Functional Grammar. London: Arnold, 1985.

HERSCHBERG-PIERROT, Anne. Problematique du cliché: sur Flaubert. Poétique: Revue de Théorie et D’analyse Littéraire, Paris, n. 43, p. 334-345, set. 1980. Disponível em: https://www.revues-litteraires.com/articles.php?lng=fr&pg=1608. Acesso em: 27 maio 2021.

KNOLL, Graziela Frainer. Discursos de gêneros na publicidade: análise crítica de textos publicitários em revistas. Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 25, n. 2, p. 239-252, jul./dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/sociaisehumanas/article/view/2885. Acesso em: 27 maio 2021.

KNOLL, Graziela Frainer; PIRES, Vera Lúcia. Análise dialógica do discurso e a sustentabilidade como valor da argumentação na publicidade: análise de anúncios de uma instituição bancária. Revista Linguagem em Foco, Fortaleza, v. 12, n. 3, p. 339-360, dez. 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/linguagememfoco/article/view/4371. Acesso em: 27 maio 2021.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Tradução: Sírio Possenti. Curitiba: Criar, 2005.

MELO, Iran Ferreira de. Análise do Discurso e Análise Crítica do Discurso: desdobramentos e intersecções. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura, ano 5, n. 11, p. 1-18, dez. 2009. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/Ciencias.Linguagem/Melo_ADeACD.pdf. Acesso em: 27 maio 2021.

MOITA LOPES, Paulo da. Identidades fragmentadas: a construção de raça, gênero e sexualidade na sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8.ed. Campinas: Pontes, 2009.

PERELMAN, Chaim; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação: a nova retórica. Tradução: Maria Ermantina de A. P. Galvão. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

RAGO, Margareth. Entre a história e a liberdade: Luce Fabbri e o anarquismo contemporâneo. São Paulo: Ed.Unesp, 2001.

RESENDE, Viviane de Melo; RAMALHO, Viviane C. V. S. Análise de Discurso Crítica, do modelo tridimensional à articulação entre práticas: implicações teórico-metodológicas. Linguagem & (Dis)curso, Tubarão, v. 5, n. 1, p. 185-207, jul./dez.2004. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/307/32. Acesso em: 27 maio 2021.

TERRA, Elisandréia Fontana; UCHIMURA, Juliana; SCOPINHO, Raquel Albano. A exposição de estereótipos do secretário executivo veiculados pela mídia. Linguagem Acadêmica, Batatais, v. 2, n. 1, p. 73-91, jan./jun. 2012.

Publicado
2021-10-07
Como Citar
Tarlau Balieiro, L., & Coelho Barros, D. (2021). Afinal, quem vive sem a secretária? Uma análise crítica sobre a construção discursiva da identidade da secretária em textos midiáticos. Revista Eletrônica De Estudos Integrados Em Discurso E Argumentação, 21(2), 87 - 106. https://doi.org/10.47369/eidea-21-2-3117
Seção
Artigos