No sonho e na astrologia: o sexo nas estrelas em Triângulo das Águas, de Caio Fernando Abreu

  • Guilherme Augusto da Silva Gomes Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Literatura Brasileira. Homoerotismo. Sexualidade.

Resumo

Este trabalho analisa as cenas sexuais homoeróticas da obra Triângulo das Águas, de Caio Fernando Abreu, a partir da materialidade da água presente em toda a narrativa e sob a perspectiva de Bachelard (1997). Ao observar obras de Caio Fernando Abreu é possível reconhecer um direcionamento na construção de personagens que primam por sua liberdade individual e é relevante na obra não só a questão do homoerotismo ou da bissexualidade dos sujeitos nos atos sexuais, mas na profundidade com que são narradas essas cenas, por isso, a questão do onírico. Parte-se da fluidez do desejo de Butturi Junior (2008) e são analisadas as cenas das três novelas, ou “noturnos” que compõem a obra: em “Dodecaedro” foram analisadas quatro cenas e destaca-se o sexo a três, a questão da masturbação e a sinestesia; em “O Marinheiro” há uma cena e destaca-se o onírico, a partir da embriaguez do narrador-personagem, além da sedução, das metáforas dos órgãos sexuais e o sexo como ruptura; em “Pela Noite” também há uma cena, com destaque para o sexo em espaço público, no clima de festa pela noite de São Paulo. O trabalho intenta provocar outros estudos que analisem as cenas sexuais homoeróticas na literatura brasileira, bem como do escritor em questão, expoente na temática homoerótica e notório na crítica literária.

Biografia do Autor

Guilherme Augusto da Silva Gomes, Universidade Federal de Uberlândia
Especialista em Gênero e Diversidade na Escola pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), graduado em Licenciatura Plena em Letras - Português e Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Publicidade e Propaganda pela ESAMC Uberlândia (ESAMC). Cursa mestrado em Estudos Literários, pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), pesquisando Literatura Brasileira na linha de pesquisa Literatura, Memória e Identidades.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Triângulo das águas. Porto Alegre: L&PM, 2005.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARCELLOS, José Carlos. Literatura e Homoerotismo masculino: perspectivas Teórico-Metodológicas e Práticas Críticas. Caderno Seminal, Rio de Janeiro, v. 8, p. 7-42, 2000.

BESSA, Marcelo Secron. Os perigosos: autobiografias e a AIDS. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

BRAGA JUNIOR, Luiz Fernando Lima. Caio Fernando Abreu: narrativa e homoerotismo. Curitiba: Appris, 2014.

BUTTURI JUNIOR, Atílio. O mesmo e o outro: o discurso sexual em Caio Fernando Abreu. Publicatio UEPG. Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Linguística, Letras e Artes, v. 1, p. 351-358, 2008.

CAMARGO, Fábio Figueiredo. Representações do corpo (homo)erótico na prosa literária brasileira. In: CAMARGO, Fabio Figueiredo Camargo; PAGANINI, Luiz Antônio; PASSOS, Vinícius Lopes (Org.). Inventário do corpo: recortes e rasuras. Belo Horizonte: Veredas&Cenários, 2011. p.131-142.

CHEVALIER, Jean. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

COELHO, Eulália Isabel Serpa dos Santos. Domínio do Irremediável em Caio: Palavra/Imagem. Conexão (Caxias do Sul), v. 5, p. 197-217, 2006.

COSTA, Amanda Lacerda. 360 graus: uma literatura de epifanias. O inventário astrológico de Caio Fernando Abreu. 2008. 129 f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. 12 ed. São Paulo: Cultrix, 2004

Publicado
2018-11-05