Entre democracia e ditadura: o poder argumentativo da língua no discurso político de Fernando Haddad

Palavras-chave: Argumentação, Blocos semânticos, Democracia, Ditadura

Resumo

Neste estudo, a língua é vista como materialidade capaz de fornecer subsídios para a construção da argumentação do discurso. Esse trabalho justifica-se por colocar à prova a capacidade argumentativa da língua por si. O objetivo desta pesquisa é analisar a argumentação que se estabelece exclusivamente por meio da língua no discurso político de Fernando Haddad, candidato à presidência do Brasil em 2018. Este estudo tem como pressupostos teóricos as noções sobre semântica argumentativa de Carel (2002, 2005) e Ducrot (1988, 2005), além de uma contextualização histórica sobre a Retórica de Aristóteles (2015). O corpus é composto pela manchete do jornal El País, de 14 de outubro de 2018, a qual apresenta a fala do candidato Fernando Haddad (Partido dos Trabalhadores). A pesquisa é exploratória, bibliográfica e qualitativa. A constatação deste trabalho é a de que a língua, por si só, é capaz de estabelecer as relações necessárias na construção argumentativa.

Biografia do Autor

Briane Schmitt, Universidade de Passo Fundo

Mestre em Letras pela Universidade de Passo Fundo.

Ernani Cesar Freitas, Universidade de Passo Fundo

Docente da Universidade Feevale e da Universidade de Passo Fundo (UPF), Brasil

Referências

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução: Manuel Alexandre Junior, Paulo Farmhouse Alberto, Abel do Nascimento Pena. São Paulo: Folha de São Paulo, 2015.

CAREL, Marion. Argumentação interna aos enunciados. Letras de Hoje, Porto Alegre, PUCRS, v.37, n.3, p. 27-43, set. 2002.

CAREL, Marion. La Semántica argumentativa: una introducción a la teoría de los bloques semánticos. Buenos Aires: Colihue, 2005.

DUCROT, Oswald. Teoria de la argumentación. Segunda Conferencia. In: ______. Polifonia y Argumentacion: Conferencias del seminário Teoria de La Argumentación y Analisis del Discurso. Universidad Del Valle, Cali, Colômbia, 1988. p. 65-80.

DUCROT, Oswald.Los bloques semânticos y el cuadrado argumentativo. In: CAREL, Marion; DUCROT, Oswald. La Semántica argumentativa: uma introducción a la teoria de lós bloques semânticos. Buenos Aires: Colihue, 2005, p. 27-50.

FREITAS, Ernani Cesar de. Semântica argumentativa: a construção do sentido no discurso. Novo Hamburgo: Feevale, 2007.

GOMES, Lauro. Argumentação na Língua: de Saussure à Teoria dos Blocos Semânticos. In: ______. Como avaliar a semântica do texto? Uma proposta para avaliação de redações orientadas pelas Semântica Argumentativa. São Carlos: Pedro & João Editores. 2017.

MANCHETE. El País, Madrid, 14 out. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/14/politica/1539475045_794656.html. Acesso em: 12 dez. 2018.

PRODANOV, Cleber C.; FREITAS, Ernani C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2013.

Publicado
2020-05-07
Como Citar
Schmitt, B., & Freitas, E. C. (2020). Entre democracia e ditadura: o poder argumentativo da língua no discurso político de Fernando Haddad. EID&A - Revista Eletrônica De Estudos Integrados Em Discurso E Argumentação, 20(1), 103-117. https://doi.org/10.17648/eidea-20-2402
Seção
Artigos Inéditos