“Minha mulher” é igual a “não mulher”? O pronome possessivo como modificador desrealizante inversor no discurso machista

Palavras-chave: Argumentação. Teoria dos Bloco Semânticos. Modificador desrealizante inversor. Discurso machista.

Resumo

No presente artigo, tenho por objetivo demonstrar, com base nos quadros da Teoria da Argumentação na Língua (ADL) e da Teoria dos Blocos Semânticos (TBS) e a partir de um corpus constituído pela canção “Na Subida do Morro”, atribuída a Moreira da Silva e Ribeiro Cunha, que, em determinadas manifestações do discurso machista, o pronome possessivo, ao se combinar com a palavra plena “mulher”, atua como modificador desrealizante inversor, assumindo característica própria a advérbios e adjetivos na argumentação e fazendo com que sintagmas como “minha mulher” e “sua mulher” possuam argumentativamente papéis semelhantes ao sintagma “não mulher”. Pretendo assim trazer subsídios tanto para as discussões acerca da constituição do discurso machista como para os estudos dos modificadores.

Biografia do Autor

Alvaro Magalhães Pereira da Silva, Universidade de São Paulo

Doutorando pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Filologia e Língua Portuguesa da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Mestre em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Publicado
2018-12-13
Seção
Artigos Inéditos