Omissão de impugnação das razões essenciais e uso meta-argumentativo avaliativo das razões acessórias nas sentenças da suprema corte de Buenos Aires

  • Mariana Cucatto Facultad de Humanidades, Universidad Nacional de La Plata (UNLP) - Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET). Argentina

Resumo

Na argumentação jurisdicional é possível diferenciar entre os argumentos essenciais ou dirimentes que sustentam uma sentença –ratio decidendi–,e os não dirimentes –acessórios (“a mayor abundamiento”)–. Partindo da perspectiva teórico-metodológica da Linguística Cognitiva, este artigo descreve e explica, a partir da análise de dois precedentes, como a Suprema Corte de Buenos Aires, mediante o uso meta-argumentativo avaliativo das razões acessórias, recusa recursos que apenas têm por objetivo as razões não dirimentes, omitindo atacar as razões essenciais da decisão recorrida. Esse uso meta-argumentativo permite constatar de que modo este organismo superior do Poder Judicial da província de Buenos Aires exerce uma função didática, enquanto ensina como diferenciar entre os argumentos dirimentes dos que não são, como devem ser utilizados os argumentos não dirimentes e como deve ser idoneamente atacada uma decisão judicial que contém argumentos dirimentes e outros que não são.

Biografia do Autor

Mariana Cucatto, Facultad de Humanidades, Universidad Nacional de La Plata (UNLP) - Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET). Argentina

Profesora Titular de las cátedras «Introducción a la Lengua y la Comunicación» y «Lengua II»”, Facultad de Humanidades, Universidad Nacional de La Plata (UNLP). Investigadora de Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET). 

Publicado
2017-12-28
Seção
Artigos Inéditos