A definição no discurso e seus usos argumentativos: o caso de “pobre” e de “pobreza”

Karina Masasa

Resumo


Este artigo apresenta uma reflexão sobre um tema pouco estudado até o momento: a definição discursiva, o que convém distingui-la da definição lexicográfica. Ao tentar circunscrever a definição que se esboça na trama discursiva, o trabalho examina um corpus de imprensa que incide sobre “pobre” e “pobreza”. Após uma breve panorâmica do tratamento reservado à definição lexicográfica, que não se apresenta sem desvendar aspectos desconhecidos (desvelam-se, aqui, dimensões avaliativas, axiológicas ou afetivas que derrogam as regras postas, emitidas pelos lexicógrafos), o artigo se concentra sobre a definição examinada em sua relação intrínseca com as paráfrases e as perífrases que a ligam ao ato de nominação. A análise adota uma aproximação baseada em termos numéricos (como viver com um dólar por dia) e também uma aproximação centrada sobre a avaliação que acentua a dimensão ética e, nesses casos, confere-se à definição argumentativa um apelo à mudança e à ação.

Palavras-chave


Definição discursiva. Definição lexicográfica. Dimensão argumentativa. Nominação.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17648/eidea-10-adarr-1066

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Autor e Revista EID&A

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.