RENASCER RECÔNCAVO: realidade e cenários de oportunidades para o desenvolvimento sustentável da Região do Recôncavo Baiano e da Baía de Todos-os-Santos

  • Luiz Baqueiro
Palavras-chave: Recôncavo Baiano, Baía de Todos-os-Santos, Desenvolvimento Econômico

Resumo

A Região do Recôncavo Baiano, palco de grande desenvolvimento econômico durante os Séculos XVIII, XIX e parte do XX, através do cultivo da cana de açúcar, do fumo e do advento do petróleo, encontra-se hoje em relativo estado de inércia e estagnação, com um acentuado processo de degradação ambiental, econômica e social, apesar de dispor de imensas riquezas naturais, culturais e ainda manter um grande potencial econômico nas áreas de cultura, turismo, indústria, comércio e agricultura. Considerando que os potenciais de desenvolvimento das nossas regiões não necessariamente serão realizados se estas ficarem entregues sozinhas às forças do mercado, precisando de uma visão estratégica para guiá-las, e, considerando ainda, que o futuro dos nossos municípios já não é mais um problema exclusivo das administrações, mas afeta e interessa à população e aos agentes sociais e econômicos que neles atuam, é necessário que se estabeleça um planejamento estratégico como instrumento mobilizador, atendendo, no mínimo, aos seguintes pressupostos: ter uma visão de longo prazo e ações de curto e médio prazos; ser participativo e democrático, envolvendo efetivamente os diversos atores sociais dos municípios e região; ser
sistêmico e transversal, abrangendo todos os aspectos da vida urbana e rural, de uma maneira integrada; ser voltado para a ação, definindo objetivos e caminhos para atingi-los; ultrapassar o limite temporal de uma administração, por se tratar de um processo monitorado e com participação da comunidade - que deve fazer o acompanhamento constante dos resultados. Eis o desafio a ser enfrentado e que aqui é enfocado em algumas de suas nuances.

Referências

Água é vida. Relatório Final do Programa de Recuperação dos Mananciais de Abastecimento de Água da Região Metropolitana de Salvador – SEDUR / SEMARH, 2004.

ALMEIDA, Rômulo Barreto de. Rômulo: voltado para o futuro. Salvador: associação dos Sociólogos do Estado da Bahia e Banco do Nordeste do Brasil S.A Fortaleza, 1986.

ALMEIDA, Rômulo Barreto de. Traços da história econômica da Bahia no último século e meio. Revista Planejamento, v. 5 n. 4, Salvador, outubro/dezembro, 1977.

Centro de Recursos Ambientais. Bacias Hidrográficas do Recôncavo Sul, bacias hidrográficas do Recôncavo Norte, e bacia hidrográfica do Rio Paraguaçu. Salvador, 2001.

KOTLER, Philip. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1992.

ROCHA, Sônia; ALBUQUERQUE, Roberto. Geografia da pobreza extrema e vulnerabilidade à fome. Rio de Janeiro, 2003.
SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. In: Paula Yone Stroh (org). Coleção Ideias. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SANTOS, Milton. A Rede Urbana do Recôncavo. In: BRANDÃO, M. de Azevedo (org.). Recôncavo da Bahia: sociedade e economia em transição. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, UFBA, 1998.

SANTOS, Milton. Os estudos regionais e o futuro da geografia. Salvador: Imprensa Oficial da Bahia, 1953.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 2004

SEPLANTEC, Quatro cantos da Bahia: tendências da Economia Baiana. Salvador, 2000.

SPOSATI, Aldaíza. Cidade, território, exclusão/inclusão social. Geo Brasil, 2000.

UGP PROMATA. Programa de apoio ao desenvolvimento sustentável da zona da mata de Pernambuco, Recife, 2004.

UNESCO BRASIL. Educação para um futuro sustentável: uma visão transdisciplinar para ações compartilhadas. Brasília: IBAMA, 1999.

VIEIRA, Paulo Freire – Meio Ambiente, desenvolvimento e planejamento,
UFSC, 2002.
Publicado
2021-11-26