AS POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS E O IMPACTO NA EDUCAÇÃO: uma análise da reforma do ensino médio

  • Sandra de Castro de Azevedo
Palavras-chave: Ensino Médio, Lei nº 13.415 de 2017, Ciclo de Política, BNCC

Resumo

Entender as políticas educacionais é cada vez mais, um elemento essencial na formação e na atuação docente. Por meio da compreensão das políticas é possível identificar qual o projeto de educação que o poder público defende, ampliando assim a possibilidade de resistência ou de apoio. Esse texto propõe uma análise das leis que estabeleceram a Reforma do Ensino Médio (Lei nº 13.415 de 2017 e Resolução nº 3, de 2018) com base na teoria do Ciclo de Política de Ball e Bowe. O objetivo é mostrar que a política educacional pode ser analisada desde seu contexto de influência, onde são identificadas as forças em disputa, no contexto do texto que indica quais as forças conquistaram espaço na lei, no contexto da prática na tentativa de pensar como essa lei será aplicada e ressignificada e no contexto dos efeitos que a sociedade sofrerá com a lei. Os resultados da pesquisa indicam uma forte presença dos princípios neoliberais na educação brasileira e que a reforma do ensino médio pode prejudicar a formação dos alunos da escola pública pois dificultará o acesso dos alunos trabalhadores. As leis aprovadas não consideram a realidade dos filhos da classe trabalhadora, apesar de serem aprovadas com discurso de uma melhor preparação para o mercado de trabalho.

Referências

AZEVEDO, Sandra de Castro de. Políticas públicas educacionais, formação de professores e precarização do Trabalho no Sul de Minas Gerais. In: FERREIRA, Marta Marujo; VAlE, Ana Rute do (Org). Dinâmicas Geográficas no Sul de Minas Gerais. Curitiba. Appris, 2018, p.153-174.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em:. Acesso em: 23 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 ago. 2005. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11161.htm>. Acesso em: 20 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2019.

BRASIL. [Lei Darcy Ribeiro (1996)]. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 13. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2016. (Série legislação; nº 263 PDF). Disponível em . Acesso em: 22 fev. 2019.

BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Comissão Especial Destinada a Promover Estudos e Proposições para a Reformulação do Ensino Médio. Relatório Final da Comissão Especial para a Reformulação do Ensino Médio- CEENSI. Brasília. Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. 43p - (Série comissões em ação; n.39)

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): educação é a base. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Reforma do Ensino Médio. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Básica. Resolução nº 3, de 21 de Novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2019.

CZERNISZ, Eliane Cleide da Silva; PIO, Camila Aparecida. Ensino médio integral: desafios e perspectivas. Revista NUPEM, Campo Mourão, v. 9, n. 17, p. 60-71, maio/ago. 2017.

DAYRELL , Juarez Tarcisio; JESUS, Rodrigo Ednilson de. Juventude, ensino médio e os processos de exclusão escolar. Educ. Soc., Campinas, v. 37, n. 135, p. 407-423, abr.-jun. 2016.

ENEM: levantamento mostra o que mais cai na prova desde 2009. G1, 5 maio 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2019.

FERRETTI, Celso João. A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Estud. av. [online], v. 32, n. 93, p. 25- 42, 2018.

GIROTTO, Eduardo Donizeti. Dos PCNS a BNCC: o ensino de geografia sob o domínio neoliberal. Geo UERJ, Rio de Janeiro, n. 30, p. 419-439, 2017.

LIMAVERDE, Patrícia. Base Nacional Comum: desconstrução de discursos hegemônicos sobre currículo mínimo. Dossiê ECOTRANSD: Ecologia dos saberes, Transdisciplinaridade e Educação. v. 5, n. 1, p. 78-97, jan./jun. 2015.

LOPES, Alice Casimiro; LÓPEZ, Silvia Braña. A performatividade nas políticas de currículo: o caso do Enem. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 89-110, abr. 2010.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

______. A pesquisa no campo da política educacional: perspectivas teóricoepistemológicas e o lugar do pluralismo. Rev. Bras. Educ. [online], v. 23, p.1-20, 2018.

MOCARZEL, Marcelo Maia Vinagre; ROJAS, Angelina Accetta; PIMENTA, Maria de Fátima Barros. A reforma do ensino médio: novos desafios para a gestão escolar. Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. esp. 1, p. 159-176, mar. 2018.

ROCHA, Ana Angelita. Um estudo sobre o Enem e o currículo de geografia no ensino médio. Giramundo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 21-32, jul./dez. 2014.

SOUSA, Narayana Fernandes de. O ciclo de políticas de Stephen Ball e a análise de políticas curriculares: contextualizando a geografia. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 5, n. 8, p. 43-57, jan./jun. 2014.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Auditoria coordenada na educação: ensino médio. Brasília: TCU, 2014. 32 p.
Publicado
2021-11-26