A implementação Lei nº 10.639/2003 na rede pública de ensino do município de Poções – Bahia

impasses e possibilidades

Palavras-chave: Escola pública; Relações étnico-raciais; Lei nº 10.639/2003.

Resumo

O presente texto resulta de uma pesquisa monográfica que buscou investigar a implementação da Lei nº. 10.639/2003 em escolas da rede pública, do município de Poções-Bahia, tendo como objetivo geral: Investigar os impactos da implementação da Lei nº. 10.639/2003 no ensino fundamental da rede pública, no município de Poções-Bahia, assim como as suas implicações no cotidiano da comunidade escolar das escolas investigadas. O texto apresenta dados da pesquisa, evidenciando os entraves e resistências para a construção de uma cultura de valorização do legado cultural do povo negro, historicamente, subjugado em comparação à cultura hegemônica, fator que ainda contribui para as práticas de exclusão social e racial, inclusive no interior da escola. A pesquisa ora discutida é de natureza qualitativa, cuja coleta de dados se deu, sobretudo, pelas entrevistas semiestruturadas, envolvendo professoras que atuam no Ensino Fundamental da rede pública, além da análise de documentos escritos.  Concluímos evidenciando que a implementação da Lei nº 10.639/2003 não ocorreu em sua plenitude no município investigado, tendo na pouca qualificação dos profissionais da educação um dos fatores que contribuíram para esse cenário. Houve tentativas, ainda que tímidas, de implementação da lei federal no município, no entanto os entraves encontraram espaço não apenas em uma parte da comunidade escolar e local, como também no poder público. Se mostrou consensual, entre os sujeitos da pesquisa, que para haver uma reeducação da sociedade acerca das relações étnico-raciais não basta apenas a existência de uma legislação específica, sendo necessário um conjunto de ações que favoreçam a implementação da mesma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenice Silva Ferreira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Brasil
Elenice Silva Ferreira é Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC/Minas. Doutora em Educação pela mesma universidade. Professora Adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, membro do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Profissão Docente – GEPPDOC - PUC/Minas e Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em História da Educação Brasileira - GESTHEB/UESB.        
Bruno Pereira da Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Brasil

Graduado em História pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB.

 

Referências

ALMEIDA, Cínthia Nolácio de. A obrigatoriedade do ensino das histórias e culturas africanas e afrobrasileiras na educação escolar: reflexões sobre a lei 10.639/2003. HISTORIEN – Revista de História; Petrolina out/abr. 2011, p. 18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n° 003/2004 de 10 de março de 2004. Diário oficial da União, Brasília, DF, 19 de maio 2004.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996. disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.Acesso em: 23 de outubro de 2022.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 23 de outubro de 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05.10.1988. Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 23 de outubro de 2022.

BRASIL. Ministério da Educação/Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientações e Ações para a Educação das Relações Etnicorraciais. Brasília-DF: SECAD, 2006. 262 p.

CANDAU, Vera Maria (org). Magistério, construção cotidiana. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. 314 p.

CONCEIÇÃO, Maria Telvina da. A escrita sobre povos africanos e afro-brasileiros na literatura escolar de História no contexto da segunda metade do século XX. In: CAMPOS, Adriana Pereira, et. all (orgs). O espelho negro de uma nação. EDUFES, 2019. p. 247-269.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Cidadania republicana e educação: governo provisório do Mal. Deodoro e Congresso Constituinte de 1890-1891. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. 112 p.

FANON, Frantz. Por uma revolução africana: textos políticos. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. 1 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2021. 182 p.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017. 122 p.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira. Negros e Educação no Brasil, In: LOPES, Eliana Marta Teixeira, FARIA FILHO, Luciano Mendes VEIGA, Cynthia Greive. (orgs.). 500 anos de educação no Brasil. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. 606 p.

IANNI, Octávio. A dialética das relações raciais. Disponível em: http://www. Sociologia.com.br/arti/colab/a16-oianni. Acesso em 12 nov. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo populacional 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: outubro 29 outubro de 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1. Acesso em: 29 de outubro de 2022.

MARTINS, Maria do Carmo. Base Curricular é conservadora, privatizante e ameaça autonomia, avaliam especialistas. Disponível em: www.unicamp.br/unicamp/index/php/noticias. Acesso em: 20, mai., 2023.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. 152 p.

SACRISTÁN, Jimeno Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed, 1998. 182 p.

SANTOS, Isabel Aparecida dos. A responsabilidade da Escola na eliminação do preconceito racial: alguns caminhos. In: CAVALLEIRO, Eliane. (Org.). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001. p. 97-113.

SILVA, Maria Aparecida da. Formação de educadores/as para o combate ao racismo: mais uma tarefa essencial. In: CAVALLEIRO, Eliane. (Org.). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001. p. 65- 82.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil étnico-raciais no Brasil. Educação. Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 3 (63), p. 489-506, set./dez. 2007.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. 148 p.

TARDIF, Maurice. Saberes Profissionais dos Professores e Conhecimentos Universitários. Rio de Janeiro, Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 13, 2002. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/rbe/files/rbe_13.pdf. Acesso em: 1º, mai.2023.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. (org) Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 14 ed. Papirus, 2002. 158 p.

PONCE, Anibal. Educação e luta de classes. São Paulo: Cortez, 1991. 196 p.

TADEU Tomaz; MOREIRA Antonio Flavio. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo, Cortez: 2013. 212 p.

Publicado
2024-06-17
Como Citar
Ferreira, E., & da Silva, B. (2024). A implementação Lei nº 10.639/2003 na rede pública de ensino do município de Poções – Bahia. Especiaria: Cadernos De Ciências Humanas, 21. https://doi.org/10.36113/especiaria.v21i0.4110