Diferenciais Salariais e Migração Intermunicipal: Evidências para Pernambuco a partir de Regressões Quantílicas (2000-2010)

Evidências para Pernambuco a partir de Regressões Quantílicas (2000-2010)

  • Claudia Cesar Batista Julião Universidade Federal de Viçosa
  • Roberta Moraes Rocha UFPE-CAA

Resumo

Este trabalho teve como objetivo principal verificar, a partir de dados dos censos demográficos do ano de 2000 e 2010, se os migrantes internos pernambucanos receberam um diferencial salarial positivo em relação aos não migrantes, e se são positivamente selecionados. Adicionalmente, procurou-se traçar o seu perfil social e econômico. Para tanto, estimaram-se equações mincerianas de salários, e a análise foi realizada tanto para a média, quanto para os quantis da renda do salário, ambas corrigidas pelo viés de seleção. Do conjunto dos resultados, destacam-se que o migrante interno do estado é mais qualificado que os não migrantes, a maioria é do sexo masculino e jovens; recebem um diferencial salarial positivo, em relação aos não-migrantes, sendo maior para os quantis de renda mais elevados; e estes diferenciais tenderam a aumentar entre o ano de 2000 e 2010.   

Biografia do Autor

Claudia Cesar Batista Julião, Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa. Mestre em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco - Campus Acadêmico do Agreste (2014). Graduada em Economia pela mesma instituição (2012). Graduada em Sistemas de Informação pela Universidade de Pernambuco (2010).

Roberta Moraes Rocha, UFPE-CAA

Professora Associada da Universidade Federal de Pernambuco – Campus Acadêmico do Agreste (UFPE-CAA).

Publicado
2020-08-04