De sonhos e fracassos: a influência do cenário externo sobre o Plano de Metas

  • Eduardo Moreira Thomé Bacharel (UFRGS) e mestrando em Economia (PPGDE/UFPR)
  • Ivan Colangelo Salomão Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Econômicas e do Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGE/UFRGS)

Resumo

O governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961) e, em especial, o Plano de Metas, guardam lugar de destaque no desenvolvimento da economia brasileira no século XX. Em que pese a relevância do plano para o aprofundamento do processo de substituição de importações, o ônus do crescimento acelerado daquele período extrapola a espiral inflacionária e o descontrole das contas públicas. Este trabalho tem por objetivo jogar luz sobre os problemas que a conjuntura externa, e o consequente impasse do balanço de pagamentos, trouxeram para a economia brasileira a partir dos anos 1960, procurando evidenciar as bases frágeis sobre as quais o Plano de Metas foi erigido.

Referências

BENEVIDES, Maria V. M. O governo Kubitschek: a esperança como fator de desenvolvimento. In: GOMES, Ângela de C. (Org.). O Brasil de JK. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas/CPDOC, 2002.

CAPUTO, Ana Cláudia; MELO, Hildete Pereira de. A Industrialização Brasileira nos Anos de 1950: Uma Análise da Instrução 113 da SUMOC. Revista de Estudos Econômicos, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 513 – 538, 2009.

CAMPOS, Márcia Aparecida F. A política econômica do Governo Kubitschek (1956-1961): o discurso em ação. Dissertação (Mestrado em Economia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Economia, Porto Alegre, 2007.

DRAIBE, Sônia. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FONSECA, Pedro C. D. Sobre a Intencionalidade da Política Industrializante do Brasil na Década de 1930. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 23, n. 1 (89), p. 133-48, Jan./Mar. 2003.

HAFFNER, Jacqueline A. H.. CEPAL: Uma perspectiva sobre o desenvolvimento Latino-americano. Porto Alegre, EDIPUCRS, 1996.

LAFER, Celso. O Planejamento no Brasil. In: MINDLIN, Betty. Planejamento no Brasil. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

LAUTERT, Vladmir. A opção pelo crescimento acelerado: uma interpretação da internacionalização da indústria brasileira nos anos 1950. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Ciências Econômicas, Programa de Pós-Graduação em Economia, Porto Alegre, 2012.

LEOPOLDI, Maria Antonieta P. Crescendo em meio à incerteza: a política econômica do governo JK (1956/60). In: GOMES, Angela de C. (Org.). O Brasil de JK. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 1991.

LESSA, Carlos. Quinze anos de política econômica. 2. ed. São Paulo: Brasiliense: 1981.

MALAN, Pedro S. Relações econômicas internacionais do Brasil; 1945 – 1964. In: PIERUCCI et al. O Brasil republicano: economia e cultura (1930-1964). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

MOURA, Gerson. Avanços e recuos: a política exterior de JK. In: GOMES, Angela de C. (Org.). O Brasil de JK. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 1991.

ORENSTEIN, Luiz; SOCHACZEWSKI, Antonio Claudio. Democracia com desenvolvimento: 1956/1961. In: ABREU, Marcelo P. (Org.). A ordem do progresso: dois séculos de política econômica no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

TOPIK, Steven. A Presença do Estado na Economia Política do Brasil de 1889 a 1930. Rio de Janeiro: Record, 1987.

VILLELA, André. Dos “anos dourados” de JK à crise não resolvida (1956-1963). In: GIAMBIAGI, Fabio et al. Economia Brasileira Contemporânea: 1945-2010. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

Publicado
2018-11-30
Seção
Artigos