Da teoria clássica à administração moderna: os 14 princípios gerais de Fayol comparados à administração pública brasileira

  • Rayanne Cristina Oliveira da Silva Araújo Fundação Universidade Federal de Rondônia
  • Theophilo Alves de Souza Filho Fundação Universidade Federal de Rondônia

Resumo

Considerando que as vertentes de gestão pública e privada convergem na medida em que necessitam de planejamento, organização, direção e controle, esta pesquisa busca analisar os princípios da administração de Fayol comparados à Administração Pública brasileira, por meio dos seguintes objetivos específicos: revisar os Princípios da Administração descritos por Fayol; consolidar as principais características e princípios da Administração Pública brasileira; e verificar as convergências e divergências dos Princípios da Administração de Fayol às características e princípios da Administração Pública brasileira. Trata-se de pesquisa bibliográfica, de fins exploratórios e com abordagem qualitativa, utilizando a técnica da análise de conteúdo para alcance dos resultados por meio da leitura e interpretação da literatura consultada. Como resultados, constatou-se divergência do princípio da iniciativa às características da Gestão Pública levantadas e verificou-se convergência dos princípios disciplina, ordem, unidade de comando, autoridade e responsabilidade, unidade de direção, subordinação de interesses individuais aos interesses gerais, centralização, hierarquia, equidade e estabilidade do pessoal. Não foram encontrados vieses de comparação entre divisão do trabalho, remuneração do pessoal e união do pessoal e destaca-se que os princípios da Moralidade, Publicidade e Eficiência, tão relevantes no cenário da Administração Pública Moderna, não são análogos a nenhum dos Princípios Gerais de Fayol.

Referências

ARAÚJO, D. R.; SAMPAIO, F. M. C.; CASTRO, M. C.; PINHEIRO, S. A. V.; MACEDO, A. P. Teste no tempo: da teoria clássica da administração à organização atual do trabalho de Enfermagem. Revista de enfermagem referência, v. 4, n. 2, p. 111-120, 2014. Disponível em: <http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/30404 >. Acesso em 16 dez. 2016.

Biografia de Jules Henri Fayol. eBiografia, 2015. Disponível em: <https://www.ebiografia.com/jules_henri_fayol/>. Acesso em 15 dez. 2016.

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em 14 dez. 2016.

CARDOSO JÚNIOR, José Celso; NOGUEIRA, Roberto Passos. Ocupação no setor público brasileiro: tendências recentes e questões em aberto. Revista do Serviço Público, v. 62, n. 3, p. 237-260, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1108/00251740210441108>. Acesso em 22 dez. 2016.

FAYOL, H. Administração industrial e geral: Previsão, organização, comando, coordenação, controle. 10. ed. São Paulo: Atlas, 1989).

FERREIRA, D. O. Ferreira; PEREIRA, L. Marchett. Servidor Público – Estabilidade. AMOG, 2012. Disponível em: <http://www.amog.org.br/amogarquivos/TCCPOS-TURMA-2012/Danilo-Ogrodnik-Ferreira.pdf>. Acesso em 22 dez. 2016.

FREIRE, E. Direito administrativo. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

GARCIA, R. Cardoso; ARAÚJO, J. Macena de. Os princípios da administração pública no sistema jurídico brasileiro. Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 96, 2012. . Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/ >. Acesso em 22 dez. 2016.

MATOS, Eliane; PIRES, Denise. Teorias administrativas e organização do trabalho: de Taylor aos dias atuais, influências no setor saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, v. 15, n. 3, p. 508-14, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n3/v15n3a17>. Acesso em 15 dez. 2016.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, Vozes, 2007.

PALUDO, A. Administração pública. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RIBEIRO, Carla Vaz dos Santos; MANCEBO, Deise. O servidor público no mundo do trabalho do século XXI. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 33, n. 1, p. 192-207, 2013. Disponível em: <http://www.tre-rs.gov.br/arquivos/RIBEIRO_servidor_publico.pdf>. Acesso em 19 dez. 2016.

ROCHA, Décio; DEUSDARÁ, Bruno. Análise de Conteúdo e Análise do Discurso: aproximações e afastamentos na (re) construção de uma trajetória. Alea: Estudos Neolatinos, v. 7, n. 2, p. 305-322, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-106X2005000200010&script=sci_arttext&tlng=ES>. Acesso em 18 dez. 2016.

RODRIGUES, Carl A. Fayol's 14 principles of management then and now: a framework for managing today's organizations effectively. Management Decision, v. 39, n. 10, p. 880-889, 2001. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1108/00251740210441108>. Acesso em 17 dez. 2016.

SANTOS, Andrielle. M.; SILVA, Jéssica. N.; OLIVEIRA, Natália. S. F. Fayol. Monografia. São Vicente: União Brasileira Educacional, 2009. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/_resources/files/_modules/academics/academics_2224_20100228182636048a.pdf>. Acesso em 22 dez. 2016.

SOUZA, E. M. de; AGUIAR, A. C. Publicações póstumas de Henri Fayol: Revisitando sua teoria administrativa. Revista de Administração Mackenzie, v. 12, n. 1, p. 204, 2011. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/RAM/article/viewFile/2449/ 2650>. Acesso em 13 dez. 2016.

SOUZA. C. M. S. S. BENEVIDES, S. L. M. B. PEDRO FILHO, F. S. MADEIRA, M. J. A. Atos administrativos com foco na criação de uma organização militar. XI Jornada Cientifica CEDSA: ética e consumo sustentável. Porto Velho: IEPAGRO, 2016. Disponível em: <http://www.jornadacedsa.unir.br/uploads/43434343/arquivos/Ebook_XI_Jornada_CEDSA_691423668.pdf>. Acesso em 17 dez. 2016.

WREN, Daniel A.; BEDEIAN, Arthur G.; BREEZE, John D. The foundations of Henri Fayol’s administrative theory. Management Decision, Bingley, v. 40, n. 9, 2002. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1108/00251740210441108>. Acesso em 15 dez. 2016.

Publicado
2018-04-10