O efeito da taxa de câmbio e da renda mundial nas exportações do Estado da Bahia

  • Leandro Batista Duarte
  • Álvaro Barrantes Hidalgo

Resumo

O presente trabalho busca verificar a influência da taxa de cambio e da renda mundial sobre as exportações do Estado da Bahia. Foram empregados métodos de séries temporais, teste de raiz unitária, teste de Cointegração de Johansen, o modelo vetorial auto-regressivo (VAR), o vetor de correção de erros (VEC), função impulso-resposta, decomposição dos erros de previsão da variância e teste de Causalidade de Granger. Os dados utilizados foram obtidos junto ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior –MDIC, para um período de janeiro de 2001 a fevereiro de 2016. Dos resultados, observou-se que as variáveis são cointegradas, sendo que na equação de longo prazo a renda mundial afetou significantemente as exportações, enquanto a taxa de câmbio apresentou sinal negativo. Quanto às estimativas de curto prazo do vetor de cointegração revelaram que, para a variável exportação, os desequilíbrios de curto prazo são corrigidos de forma relativamente rápida, o que não acontece para as variáveis taxa de câmbio e renda mundial. Nas funções impulso-resposta, verificou-se que um choque na taxa de câmbio tem efeitos negativos sobre as exportações, contrário a teoria econômica, e a renda mundial afeta positivamente as exportações. Por fim, na análise de decomposição da variância demonstrou que a renda mundial é relativamente mais importante que a taxa de câmbio na explicação da variância do erro de previsão dasexportações.

Biografia do Autor

Leandro Batista Duarte
Doutorando em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Economia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Graduação em Economia pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).
Álvaro Barrantes Hidalgo

Professor Titular da Universidade Federal de Pernambuco

Graduação em Economia pela Universidade da Costa Rica (1973), Mestrado em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (1978) e Doutorado em Economia pela Universidade de São Paulo (1983).

Referências

BRAGA, J. M. Ajustamento nos Mercados de Fatores, Raiz Unitária e Histerese na Economia Americana. Niterói: Faculdade de Economia - Universidade Federal Fluminense, 2008 (Texto para Discussão).

BRAGA, H. C. & MARKWALD, R. A. Funções de oferta e de demanda das exportações de manufaturados no Brasil: estimação de um modelo simultâneo. Rio de Janeiro: IPEA, 1983.

CASTRO, A. S.; CAVALCANTI, M. A. F. H. Estimação de equações de exportação e importação para o Brasil: 1955/95. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 1-68, 1998.

COELHO, A. B.; A cultura do algodão e a questão da integração entre preços internos e

Externos.vol.42 no.1 Brasília Jan./Mar. 2004.

DICKEY, D. A.; FULLER, W. A. Likelihood ratio statistics for autoregressive time series with a unit root. Econometrica, v. 49, n. 4, p. 1057-1073, 1981.

ENDERS, W. Applied econometric time series. New York: John Wiley, 1995

FABRIS, T, R.; MEURER, R. O comportamento de curto prazo das exportações catarinenses. Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina,2009.

GOMES, Éverton Coelho; FANTINEL, Vinícius Dias. O impacto da taxa de câmbio e da renda mundial nas exportações de calçados gaúchos. Porto Alegre, 2012.

GRANGER, C. W. J. Investigating causal relations by econometric models and cross-spectral methods. Econometrica, v. 37, n. 3, 1969.

GUJARATI, Damodar N. Econometria Básica. 3. ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 2005.

GUZMÁN, R. M. Moeda e crédito na economia brasileira: um modelo com vetores de correção de erros. Revista Análise Econômica, Porto Alegre, ano 10, n. 18, p. 25-50, set. 1992.

INSTITUTO BRASILEITO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=ba>. Acesso em setembro de 2016.

IPEADATA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em <http://www.ipeadata.gov.br>. Acesso em novembro/2016.

LÜTKEPOHL, H. New introduction to multiple time series analysis. New York: Springer, 2006.

MONTE, Edson Zambon. INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO E DA RENDA MUNDIAL NAS EXPORTAÇÕES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Revista Análise Econômica, Porto Alegre, ano 33, n. 63, p. 301-323, mar. 2015.

PINDYCK, R. S., RUBINFELD, D. L. Econometria. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. Tradução de: Econometric models and economic forecastes, 4th ed.

PORTUGAL, M. S. A instabilidade dos parâmetros nas equações de exportações brasileiras. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 313-348, ago. 1992.

SUPERITENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Disponível em:<http://g1.globo.com/bahia/noticia/2014/10/exportacao-na-bahia-cresce-18-em-setembro-e-importacao-mostra-recuo.html>. Acesso em: 10 set. 2016.

SUPERITENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Disponível em:<http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/08/receita-de-exportacao-cai-102-na-bahia-apos-baixa-das-commodities.html>. Acesso em: 10 set. 2016.

SUPERITENDENCIA DE ESTUDOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Disponível em: <http://www.sei.ba.gov.br/images/releases_mensais/pdf/bce/bce_dez_2016.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2017.

SILVA, E. K.; MAIA, S. F. As exportações brasileiras de café (1961-2001): uma análise usando vetores autoregressivos. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 41., 2003, Juiz de Fora. Anais eletrônicos... Juiz de Fora: Sober, 2003. Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/BDS.nsf/4CAF1440336F023003256FF100605126/$File/NT000A6EF2.pdf>. Acesso em: 20 set. 2016. SIMS, C. Macroeconomics and reality. Econometrica, v. 48, n. 1, p. 1-48, 1980.

VANEGAS, Manuel; CROES, Robertico, R. Evaluation of demand: US tourists to Aruba.

Annals of tourism Research. v. 27, p. 946-963, 2000.

ZINI JÚNIOR, A. A. Funções de exportação e de importação para o Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 615-662, 1988.

Publicado
2018-04-10