Interdisciplinaridade na saúde: um instrumento para o sucesso.

Isabel Gois Bastos

Resumo


O trabalho apresenta uma revisão de literatura, propondo uma reflexão acerca da interdisciplinaridade, seus limites e possibilidades, como instrumento principal na transformação do modelo assistencial vigente para outro que aborde as questões da saúde de uma forma integralizada, fortalecendo as relações médico-paciente e o sucesso dos tratamentos. Foram consultadas inúmeras referências, através de bases de dados como Scielo, EBSCO, BVS, Revista Latino-americana de Enfermagem e a Revista Ciência & Saúde, nas quais são discutidas as interferências de uma equipe multidisciplinar e a relação profissional da saúde-paciente no seu processo de tratamento. Percebeu-se, então, que a interdisciplinaridade no âmbito da saúde assim como a boa relação profissional-paciente é considerada por diversos autores como sendo crucial para a melhor efetividade de tratamento. Nesse sentido, para que a saúde possa ser apreendida em toda a sua dimensão, são necessários saberes capazes de articular dinamicamente as dimensões do social, do psicológico e do biológico. Dessa forma, é necessário haver mudanças no sistema de educação e formação dos profissionais de saúde a fim de promover maior consciência de que a interdisciplinaridade é capaz de beneficiar a todos. Portanto, para que seja possível uma abordagem integralizada, que contemple as múltiplas dimensões presentes nas questões da saúde e contribua para as transformações que se impõem nesse campo, é necessário que a interdisciplinaridade possa fazer sentido na prática cotidiana, ou seja, cada profissional, com seu saber específico, compondo diferentes perspectivas para que se obtenha sucesso nos processos de saúde.

 


Palavras-chave


Interdisciplinaridade na saúde, relação profissional-paciente, tratamento multiprofissional.

Texto completo:

PDF ed.1 v.1

Referências


MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

ARTMAN, E. Interdisciplinaridade no enfoque intersubjetivo habermasiano: reflexões sobre planejamento e AIDS. Ciência e SaúdeColetiva 2001; 6(1):183-95.

ALMEIDA, N. Transdisiplinaridade e saúde coletiva. Ciência e Saúde Coletiva 1997; 2(½): pp 5-20.

MINAYO, M.C.S. Interdisciplinaridade: funcionalidade ou utopia? Ver Saúde e Sociedade, 1994.

PEDUZZI, M. Trabalho em equipe de saúde no horizonte normativo da integralidade, do cuidado e da democratização das relações de trabalho. In: Pinheiro R, Barros MEB, Mattos RA, organizadores. Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social (IMS), Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), 2007.

CECCIM R.B; FEUERWERKER L.C.M. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade.Cad Saude Publica. 2004.

CARNEIRO LEÃO, E. Para uma crítica da interdisciplinaridade. Tempo Bras.,1991.

BIRMAN, J. Apresentação: interpretação e representação na saúde coletiva. Physis-Revista de Saúde Coletiva, v. 1, n. 2, p. 7-22, 1991.

RUFFINO-NETO, A. Qualidade de vida: compromisso histórico da epidemiologia. Saúde em debate, 1992.

SIEBENEICHLER, F. Encontros e desencontros no caminho da interdisciplinaridade. TempoBras, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Isabel Gois Bastos