A CAPACIDADE MULTILÍNGUE E SEU PERFIL MULTICULTURAL NA PROMOÇÃO DA CIDADANIA GLOBAL

  • Luana Correia dos Santos Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Elaine Cristina Medeiros Frossard Universidade Estadual de Santa Cruz

Resumo

A habilidade multilíngue se apresenta na atualidade como importante ferramenta para as demandas do mundo globalizado. Os desafios deste século têm demandado cidadãos globais que estejam preparados para lidar com problemas de proporções globais e estejam aptos a apresentar soluções aos mesmos. E uma das questões mais problemáticas a nível global é a falta de entendimento cultural, o que tem gerado conflitos ao redor do mundo. A cidadania global prepara indivíduos com habilidades específicas e úteis neste cenário. A formação encontrada no curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas às Negociações Internacionais, da UESC, prepara profissionais com essas habilidades e que estão aptos a se tornarem cidadão globais, atores ativos na solução dos desafios globais. Portanto, este trabalho objetiva apresentar a capacidade multilíngue como habilidade de perfil multicultural e útil para a promoção da cidadania global. Além disso, numa abordagem mais específica, busca compreender a relação existente entre aprendizagem de uma língua e o ganho cultural proveniente deste aprendizado e analisa o papel do multilinguismo como uma ferramenta para o entendimento cultural na atualidae. Esta pesquisa analisa também o papel do curso LEA na formação de profissionais aptos a falar línguas estrangeiras e potencialmente capazes de serem cidadãos globais. Trata-se de uma pesquisa qualitativa e interpretativista de caráter bibliográfico, que se respalda em autores como Becker e Zimmer (2015), Zarobe (2015), dentre outros que tratam da capacidade multilíngue e sua relação com o entendimento cultural, bem como se baseia em informações de documentos oficiais da UNESCO.

Referências

ALEXANDRE, I. J.; PRIMÃO, J. C. M.; SILVA, A. M. N. Multiculturalismo e educação: desafios para o educador. Revista Eventos Pedagógicos, v. 3, n. 2, p. 291-300, mai./jul., 2012.

ÁLVAREZ, V. C. Diversidade cultural e livre-comércio: antagonismo ou oportunidade?. Brasilia: UNESCO, 2008.

BECKER, S.; ZIMMER, M. C. Relações entre bilinguismo, cultura e criatividade. Porto Alegre: Centro universitário Ritter dos Reis, 2015.

BERNAL, I. M. Las ventajas del multilingüismo. El País. Disponivel em: <http://elpais.com/elpais/2014/02/06/opinion/1391705187_021373.html>. Acesso em: 12 jul. 2016.

BORNHOFEN, D.; KISTENMACHER, G. M. P. Negociação internacional baseada na influência cultural: Alemanha. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v. 1, n. 2, p. 1-5, 2007.

BRANT, L. Diversidade cultural: globalização e culturas locais: dimensões, efeitos e perspectivas. São Paulo: Escrituras: Instituto Pensarte, 2005.

BRITISH COUNCIL. Demandas de aprendizagem de inglês no Brasil. São Paulo, 2014.

EDWARDS, John. Foundations of Bilingualism. In: BHATIA, T.K.; RITCHIE, W.C. (Eds.). The Handbook of Bilingualism. Oxford: Blackwell, 2006, p. 7-31.

FIALHO, F. A. P.; SILVA, R. F. T.; TEIXEIRA, A. A negociação, o negociador e o perfil psicológico: um estudo teórico reflexivo com base nos pressupostos de Martinelli e Almeida (2009) , Hirata (2007) e Jung em Keirsey-Bates (1984). Disponível em: <http://www.convibra.com.br/upload/paper/adm/adm_3237.pdf>. Acesso em: 7 dez. 2016.

GOETHE INSTITUT. Multilingualism: What is multilingualism?. 2015. Dilponível em: <https://www.goethe.de/en/spr/mag/20492171.html>. Acesso em 20 nov. 2016.

MOURA, T. G. Z. A complexidade das Negociações Internacionais contemporâneas como fruto do processo de internacionalização. Brasília: Mundorama, 2012. Disponível em: <http://www.mundorama.net/2012/03/07/a-complexidade-das-negociacoes-internacionais-contemporaneas-como-fruto-do-processo-de-internacionalizacao-por-ticiana-grecco-zanon-moura/>. Acesso em: 7 dez. 2016.

MOVIMIENTO NACIONAL POR LA DIVERSIDAD CULTURAL DE MÉXICO. Disponível em: <http://www.diversidadcultural.mx/index.php/Conoce/multilingueismo.html>. Acesso em: 12 jul. 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO. Comunicação, diálogo e conciliação.

UNESCO. Declaração universal sobre a diversidade cultural. 2002. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf>. Acesso em: 12 jul. 2016.

UNESCO. Declaración Universal de la UNESCO sobre la Diversidad Cultural. 2001. Disponível em: <http://portal.unesco.org/es/ev.phpURL_ID=13179&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html>. Acesso em: 12 jul. 2016.

UNESCO. Diversidad de las expresiones culturales. Paris, 2005. Disponível em: <http://es.unesco.org/creativity/convencion/que-es/texto>. Acesso em: 11 jul. 2016.

UNESCO. Educação para a cidadania global. 2015. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002343/234311por.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2016.

UNESCO. Educação para a cidadania global. Disponível em: <http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/education/global-citizenship-education/>. Acesso em: 10 jul. 2016.

USP. Especialistas explicam vantagens da educação bilíngue para crianças. São Paulo, 2011. Disponível em: <http://www.ip.usp.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=2810%3Aespecialistas-explicam-vantagens-da-educacao-bilingue-para-as-criancas&catid=46%3Ana-midia&Itemid=97〈=pt> . Acesso em 25 nov. 2016.

ZAROBE, L. R. New perspectives on multilingualism and L2 acquisition: an introduction. International Journal of Multilingualism. v. 12, 2015. p. 393-403. Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/14790718.2015.1071021>. Acesso em: 9 dez. 2016.

ZIMMER, M.; FINGER, I,; SCHERER, L. Do bilingüismo ao multilingüismo: intersecções entre a psicolingüística e a neurolingüística. ReVEL. Vol. 6, n. 11, agosto de 2008. ISSN 1678-8931.

Publicado
2018-12-14
Edição
Seção
Artigos