A PESQUISA NA UESC: UMA ANÁLISE DA AMOSTRA TEÓRICA DOS CONVÊNIOS INTERNACIONAIS

  • Isabelle da Silva Santos Universidade Estadual de Santa Cruz http://orcid.org/0000-0001-5589-9023
  • Vera Lúcia de Mendonça Silva Universidade Estadual de Santa Cruz

Resumo

O presente trabalho foi fruto de uma pesquisa que analisou as amostras teóricas dos convênios internacionais existentes na UESC, estudando os vínculos e critérios internacionais para convênios que os grupos de pesquisas da universidade apresentam, identificando participação dos pesquisadores da universidade em projetos de pesquisas na América latina. O procedimento metodológico ocorreu através de: levantamentos bibliográficos, revisão de literatura, pesquisa documental sobre informações registradas referentes ao tema proposto para o estudo nos sites da CAPES, CNPq, MCTI e UESC. Para obter-se os dados sobre os convênios internacionais na UESC, utilizou-se a página da ARINT (Assessoria de Relações Internacionais). Os resultados encontrados foram que o aumento da internacionalização da universidade ocorreu principalmente através dos convênios para o desenvolvimento de pesquisas, sobretudo nas áreas de biológicas e exatas. Nessas áreas encontram-se convênios para estabelecer estágios entre discentes e empresa, centro de cooperação internacional, bolsas de estágios e bolsas de mobilidade. Pôde-se observar que menos da metade de convênios de cooperação internacional ocorre entre os países latinos. E que o Departamento de Ciências Biológicas, mais especificamente o Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular (PPGGBM), apresenta colaborações internacionais com troca e compartilhamento de informações, materiais e aprendizagem de novas técnicas, intercâmbio de discentes e docentes.

Palavras-chave: América Latina. Convênios. Internacionalização. UESC.

Biografia do Autor

Isabelle da Silva Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz
Bacharela em Engenharia de Produção, Deparatamento de Ciências Exatas e Tecnológicas da UESC. Pós-graduanda em Engenharia de Segurança do Trabalho, na Faculdade de Ciências e Tecnologia- campus Itabuna.
Vera Lúcia de Mendonça Silva, Universidade Estadual de Santa Cruz
Docente do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Santa Cruz, Membro da Red Riesal.

Referências

CANEN, A. Novos olhares sobre a produção científica em educação superior: contribuições do multiculturalismo. In: MANCEBO, D. FÁVERO, M. L. A (Org.). Universidade: políticas, avaliação e trabalho docente. São Paulo: Cortez, 2004. p. 111-125.

CAPES. Disponível em:<http://www.capes.gov.br/cooperacao-internacional>. Acesso em: 07/04/2015.

Ciências sem Fronteiras. Disponível em: <http://www.cienciasemfronteiras.gov.br>. Acesso em: 07/04/2015.

Cirad. Disponível em: <http://www.cirad.fr/>. Acesso em: 07/04/2015.

CNPq. Disponível em: < http://www.cnpq.br/web/guest/convenios-bilaterais>. Acesso em: 07/04/2015.

ESTEFANÍA, Joaquín. HIJA, ¿QUÉ ES LA GLOBALIZACIÓN? Punto de Lectura, Madrid, 2002.

KLEIN, Naomi. Sem Logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. Rio de Janeiro: Record, 2004.

LEHER, Roberto. Projetos e modelos de autonomia e privatização das universidades públicas. In: GENTILI. Pablo (Org.). Universidade na penumbra: neoliberalismo e reestruturação universitária. São Paulo: Cortez, 2001.

LÓPEZ, M. P.; SARTHOU, N. La internacionalización de la investigación. Algunas notas sobre y desde América. Humanas Virtual, clase 5, 2014. p. 1-10.

LÓPEZ, M. P.; SARTHOU, N. Universidad, Investigación e Internacionalización. Uma mirada desde la internacionalización de los grupos de investigación em la UNCPBA. In: ARAYA, José María J. et AL. Aportes para los Estudios sobre Internacionalización de la Educación Superior en América del Sur. 1 ed. Tandil: Universidad Nacional Del Centro de La Provincia de Buenos Aires, 2015. p. 163- 189.

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Disponível em:<http://www.mcti.gov.br/visualizar/-/asset_publisher/jIPU0I5RgRmq/content/ex-alunos-do-ciencia-sem-fronteiras-criam-espaco-para-inovacao-em-brasilia?redirect=/&>. Acesso em: 02/04/2015.

PIRES, Hindenburgo Francisco. Universidade: a dialética do Mercado e da Sociedade: alternativas para uma universidade em um período de neoliberalismo. Rio de Janeiro, Advir, n. 9, 1996, p. 05-07. Disponível em: <http://cibergeo.org/artigos/UNIVERSIDADE.pdf>. Acesso em: 31/03/2015.

ESCOBAR, H. Universidades brasileiras devem promover internacionalização, valorizar mérito, flexibilizar regras e reduzir burocracia se quiserem chegar à elite do ensino superior. Revista Ensino Superior. UNICAMP, São Paulo, 2013.

RIBEIRO et. al. A privatização indireta das universidades estaduais paulistas. CARTA CAPITAL, jun. 2014. Disponível em: <http://www.cartacapital.com.br/politica/a-privatizacao-indireta-das-universidades-estaduais-paulistas-7131.html>. Acesso em: 01/04/2015.

SANCHO, R.; MORILLO, F. A.; DE FILIPPO, D.; GÓMEZ, I. C.; FERNÁNDEZ, M. T. M. Indicadores de colaboración científica intercentros en los países de América Latina. Asociación Interciencia. v. 31, n. 4, abr. 2006. p. 284-292.

Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Assessoria de Relações Internacionais. Disponível em: <http://www.uesc.br/arint/index.php?item=conteudo_aarint.php>. Acesso em: 08/05/2015.

UESC. Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular. Disponível em: < http://nbcgib.uesc.br/genetica/Acesso em: 11/05/2015.

VEHLO, L. Redes regionales de cooperación en CyT y el MERCOSUR. In: REDES, v. 7, n. 15. Universidad Nacional de Quilmes, 2000. p. 112-130.

Publicado
2017-12-14