O cabelo docilizado: uma mazela do neocolonialismo em Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie

  • Pamela Raiol Rodrigues Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Literatura de resistência, Literatura africana, Nigéria

Resumo

O presente artigo pretende evidenciar através do romance Americanah (2013), da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, de qual forma um elemento formador da identidade: o cabelo, é docilizado para que a adaptação da protagonista, uma mulher negra, africana e imigrante, possa ocorrer na sociedade americana. Para tanto, utilizamos as ideias de autores pós-coloniais acerca do que foi o colonialismo e como ele se atualiza sob o termo neocolonial. Também discutimos como o romance corrobora a crítica pós-colonial, aqui entendida como as teorias que denunciam os problemas causados pelo colonialismo nas sociedades das ex-colônias. Por fim, acreditamos que a literatura de Adichie funciona como um mecanismo de denúncia do neocolonial e como propulsor do debate acerca de preconceitos advindos da empreitada colonial.

Biografia do Autor

Pamela Raiol Rodrigues, Universidade Federal do Pará
Graduada em Letras - Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Pará. Pesquisa a obra da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Americanah. Tradução: Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

______. No seu pescoço. Tradução de Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

______. "African "Authenticity" and the Biafran Experience." Transition, no. 99 (2008): 42-53. <http://www.jstor.org/stable/20204260>. Acesso em 31 mar 2018.

ASHCROFT, Bill; GRIFFITHS, Gareth; TIFFIN, Helen. Post-colonial Studies: the key concepts. Second edition. London: Routledge, 2007.

______. The empire writes back: theory and practice in postcolonial

literatures. 2nd edition. London: Routledge, 2002.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1978.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. In: Scripta, Belo Horizonte, vol. 13, no. 25, p.17-31. 2º sem. 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 42 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. (Org.). Liv Sovik. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Almeida, Marcos Feitosa e André Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Publicado
2018-12-18
Seção
Dossiê temático