O vício aristotélico em A demanda do Santo Graal

  • Paulo Roberto Sodré Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes
  • Vanessa Annecchini Schimid
Palavras-chave: Narrativa medieval portuguesa, A demanda do santo graal, Ética aristotélica, Estudo de personagem medieval, Galvam.

Resumo

Considerando que as ideias sobre ética de Aristóteles foram, por vezes, apropriadas em forma de glosa cristianizada por autores medievais, investiga traços da concepção de vícios e de virtudes, à luz dos ensinamentos do estagirita, na construção do personagem Galvam em A demanda do Santo Graal, novela de cavalaria traduzida para o português no século XIII, a partir de um manuscrito francês perdido. O foco da análise sobre Galvam se justifica pelo fato de ser ele um cavaleiro cujo destaque na novela é notório por seus atos de vilania, sem, contudo, abranger todos os conceitos propostos por Aristóteles, em sua Ética a Nicômaco. Discute, a partir de alguns episódios da novela, como as ações viciosas do personagem se opõem às proposições aristotélicas de virtude. Tais análises se darão a fim de corroborar os estudos sobre a ideia de que o ato virtuoso ou vicioso compreende a vontade do agente, que, portanto, é livre para deliberar a respeito de suas ações.

 

Biografia do Autor

Paulo Roberto Sodré, Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes

Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo.

Docente do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Espírito Santo

Vanessa Annecchini Schimid
Mestre em Letras pela Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes

Referências

A DEMANDA do Santo Graal. Versão crítica para o português moderno de Heitor Megale. São Paulo: T. A Queiroz/Edusp, 1989.

A DEMANDA do Santo Graal. Edição de Irene Freire Nunes. 2. ed. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2005.

ALVAR, Carlos. Breve diccionario artúrico. Madrid: Alianza, 1997.

AQUINO, Tomás de. Comentario a la Ética a Nicómaco de Aristóteles. Edición de Ana Mallea e Celina Ana Lértora Mendoza. Navarra: Universidad de Navarra, 2001.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Torrieri Guimarães. São Paulo: Martin Claret, 2002.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução da Editora Cultrix. São Paulo: Nova Cultural, 1996. p. 27-60.

BACKES, Jean-Louis. O Graal. In: BRUNEL, Pierre (Org.). Dicionário de mitos literários. Tradução de Carlos Sussekind et al. 2. ed. Rio de Janeiro: Universidade de Brasília/José Olympio, 1998. p. 421-29.

BODÉÜS, Richard. Virtude acabada e vício acabado. Analytica. Revista de Filosofia, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 77-90, 2013. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ analytica/article/view/492. Acesso em: 05 dez. 2015.

CAMPBELL, Joseph. As transformações do mito através do tempo. Tradução de Heloysa de Lima Dantas. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 1993. Onde não havia caminho: as lendas arturianas e o feitio ocidental, p. 197-214; Um coração nobre: o amor cortês de Tristão e Isolda, p. 215-28; Em busca do Santo Graal: a lenda de Parsifal, p. 230-43.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40141991000100010&script=sci_arttext. Acesso em: 01 maio 2015.

COSTA, Ricardo da. A cavalaria perfeita e as virtudes do bom cavaleiro no Livro da Ordem de Cavalaria (1275), de Ramon Llull. Disponível em:http://www.ricardocosta.com/artigo/ cavalaria-perfeita-e-virtudes-do-bom-cavaleiro-no-livro-da-ordem-de-cavalaria-1275-de-ramon. Acesso em: 04 maio 2015.

DRUMMOND, Albert. As constituintes da moral medieval católica: como os vícios humanos se tornaram os sete pecados capitais. Disponível em: http://www.nehmaat.uff.br/revista/2014-1/artigo02-2014-1.pdf . Acesso em: 19 dez. 2015.

LAPA, Manoel Rodrigues. A matéria de Bretanha. In: ______. Lições de Literatura Portuguesa: época medieval. 10. edição revista pelo autor. Coimbra: Coimbra Ed., 1981. p. 239-291.

LE GOFF, Jacques. O tempo do exemplum. In: _____. O imaginário medieval. Tradução de Manuel Ruas. Lisboa: Estampa, 1994. p. 123-126.

LUZ, Ana Rosa. O teologismo de Aristóteles: A teoria das virtudes à luz da Ética a Nicômaco. Ítaca, Rio de Janeiro, n. 27, 2015. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/Itaca/article/view/2416. Acesso em: 30 nov. 2015.

MCLEISH, Kenneth. Aristóteles: a poética de Aristóteles. Araraquara: Unesp, 2000.

MEGALE, Heitor. O jogo dos anteparos: a estrutura ideológica e a construção da narrativa. São Paulo: T. A Queiroz, 1992.

MONGELLI, Lênia Márcia. A novela de cavalaria: A demanda do Santo Graal. In: MALEVAL, Maria do Amparo Tavares; MONGELLI, Lênia Márcia; VIEIRA, Yara Frateschi. A literatura portuguesa em perspectiva: Trovadorismo e Humanismo. São Paulo: Atlas, 1992. v. I, p. 55-78.

PAREDES, Juan; GRACIA, Paloma (Ed.). Tipología de las formas narrativas breves románicas medievales. Granada: Universidad de Granada, 1998.

ROCHA, Narcisa Ferreira Lima. O agir ético segundo Aristóteles. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2009.

SILVA, Cláudio Henrique da. Virtudes e vícios em Aristóteles e Tomás de Aquino: oposição e prudência. 1998. Disponível em: http://embaixadoresdaprevencao.com.br/ gerenciador/uploads/arquivos/arquivo_55.pdf Acesso em: 03 jan. 2016.

SILVEIRA, Denis. As virtudes em Aristóteles. Revista de Ciências Humanas, v. 1, n. 1, p. p. 41-71, 2012. Disponível em: http://www.revistas.fw.uri.br/index.php/ revistadech/article/view/203. Acesso em: 04 dez. 2015.

SPINELLI, Priscilla Tesch. A prudência na ética nicomaquéia de Aristóteles. São Leopoldo: Unisinos, 2007.

TEOFRASTO. Caracteres. Tradução de Torrieri Guimarães. São Paulo: Martin Claret, 2015.

TEOFRASTO. Caracteres. Madrid: Cátedra, 2010.

TROYES, Chrétien de. Erec y Enid. Edição preparada por Carlos Alvar. Madrid: Nacional, 1982.

TROYES, Chrétien de. Perceval ou o Romance do Graal. Tradução de Rosemary Costhek Abilio. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

ZINGANO, Marco. Estudos de Ética antiga. São Paulo: Paulus, 2009.

ZINK, Michel. O Graal, um mito de salvação. In: BRICOUT, Bernadette (Org.). O olhar de Orfeu: os mitos literários do Ocidente. Tradução de Leila Oliveira Benoit. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. p. 63-90.

Publicado
2018-12-18