A liderança da mulher negra no romance Mandingas da mulata velha na cidade nova: a constução sociocultural brasileira

  • Viviane Carvalho Lopes Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
  • Sandra Sacramento Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
Palavras-chave: Literatura Afro-brasileira. História. Crítica Feminista.

Resumo

O romance Mandingas da mulata velha na cidade nova (2009), de Nei Lopes, é uma narrativa que traça, através do percurso histórico e cultural brasileiro, a vida de uma tia baiana, cujo nome ficcional é Tia Amina, mas que está, de certo modo, conectado à figura verídica de Tia Ciata, uma das mais famosas baianas e carnavalescas do Rio de Janeiro. Nesse contexto, procura-se evidenciar o protagonismo da mulher negra na construção sociocultural brasileira relacionado aos pressupostos teóricos da crítica feminista. Ademais, objetiva-se situar a obra como representação literária afro-brasileira que se encontra imbricada com o processo histórico do Brasil, empenhando-se em traçar o percurso de Tia Amina, desde seus questionamentos ancestrais em África até sua chegada à Bahia. Para entender esta proposta de análise embasa-se em Beauvoir (2008), Duarte (2008) e Zolin (2009), entre outros teóricos. Assim, a partir deste trabalho, almeja-se contribuir tanto para a elucidação das questões pertinentes a gênero e à crítica feminista quanto para o reconhecimento da literatura afro-brasileira, destacando a obra de Nei Lopes.

Biografia do Autor

Viviane Carvalho Lopes, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

  Licenciada em Letras – Língua Inglesa/ Língua Portuguesa e suas respectivas literaturas pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Mestranda em Letras do Programa de Pós-graduação em Letras Linguagens e Representações (UESC). Vinculada ao grupo de pesquisa: literatura, história e cultura: encruzilhadas epistemológicas (CNPQ/UESC). Bolsista de mestrado acadêmico FAPESB. E-mail: vivianecarvalholopes@gmail.com.

Sandra Sacramento, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Professora Doutora do Departamento de Letras e Artes (DLA) da UESC e do Programa de Pós-
graduação Mestrado em Letras, ministrando a disciplina “Estudo de gêneros”: linguagens E-
mail:sandramsacramento@hotmail.com

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Tradução de Sérgio Milliet. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lucia Osana (org). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: Eduem, 2009.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. S. Paulo: Boitempo, 2013.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 31, jan/jun. 2008. Disponível em: <http://150.164.100.248/literafro/data1/artigos/artigoeduardoassis2.pdf>. Acesso em: 16 ago. 2017.

IANNI, Octavio. As ciências sociais na época da globalização. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. vol.13, n.37, pp.33-41, 1998.

LOPES, Nei. “Conversando sobre Mandingas da mulata velha na cidade nova”. Entrevista concedida a Rafael Gomide Martins. Literafro, Belo Horizonte, [2017]. Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/literafro/autores/343-nei-lopes>. Acesso em: 10 ago. 2017.

______. Mandingas da Mulata Velha na cidade nova. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2009.

LUGONES, María. Rumo ao feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935- 952 set./dez. 2014.

MATA, Inocência; PADILHA, Laura Cavalcante. Mulher em África: Vozes de uma margem sempre presente, Lisboa, Edições Colibri/ Centro de Estudos Africanos – FLUL, 2007, pp. 283 – 291.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro; Secretaria Municipal de Cultura, Dep. Geral de Doc. e Inf. Cultural, Divisão de Editoração, 1995.

Publicado
2018-11-05