Corpo Abjeto e Identidade Desviante em "Pequeno Monstro", de Caio Fernando Abreu

  • Rosicley Andrade Coimbra Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Literatura, Estudos literários, Cultura.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar dois aspectos relevantes para a compreensão do conto “Pequeno monstro”, de Caio Fernando Abreu, quais sejam: corpo abjeto e identidade desviante. A proposta é tomar a categoria de abjeto como um excesso do qual o indivíduo precisa se livrar para se constituir como sujeito e a partir dela destacar como o narrador-protagonista do conto articula e busca resolver a tensão que gravita em seu interior, lutando para se constituir como sujeito. Nesse processo, a presença do “outro”, representada na figura do primo, desempenhará um papel determinante na expulsão da parte abjeta de dentro do personagem, resolvendo com isso seus conflitos internos e ajudando na definição de sua identidade.

Biografia do Autor

Rosicley Andrade Coimbra, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Mestrado em Letras pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), área de concentração Literatura e Práticas Culturais. Atualmente é Doutorando em Estudos Literários no Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (UFG), onde desenvolve pesquisa sobre a obra do escritor gaúcho Caio Fernando Abreu, com apoio de bolsa CAPES. Atua na área de Literatura Brasileira Contemporânea e tem preferência por obras relacionadas aos seguintes temas: narrativa e experiência pós-ditatorial, narrativa e experiência urbana, identidade e violência urbana. 

Referências

ABREU, Caio Fernando. Pequeno monstro. In: ______. Caio 3D: o essencial da década de 1980 [Os dragões não conhecem o paraíso]. Rio de Janeiro: Agir, 2005a. p. 111-127.

______. Os morangos de Caio F. estão maduros [Depoimento]. In: ______. Caio 3D: o essencial da década de 1980. Rio de Janeiro: Agir, 2005b. p. 259-261.

______. A mais justa das saias. In: ______. Pequenas epifanias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012. p. 65-68.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. Jacó Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BUTLER, Judith. Inscrições corporais, subversões performativas. In: ______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015. p. 222-244.

______. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 151-172.

CALEGARI, Lizandro Carlos. O cânone literário e as expressões de minorias: implicações e significações históricas. In: FOSTER, David William et al. Excluídos e marginalizados na literatura: uma estética dos oprimidos. Santa Maria: Editora UFSM, 2013. p. 11-36.

CALLEGARI, Jeanne. Caio Fernando Abreu: inventário de um escritor irremediável. São Paulo: Seoman, 2008.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 23-60.

GIL, José. Metafenomenologia da monstruosidade: o devir-monstro. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 165-183.

KRISTEVA, Julia. Powers of horror. New York: Columbia University Press, 1982.

LEAL, Bruno Souza. Caio Fernando Abreu, a metrópole e a paixão do estrangeiro: contos, identidade e sexualidade em trânsito. São Paulo: Annablume, 2002.

LOPES, Denílson. Uma história brasileira. In: ______. O homem que amava rapazes e outros ensaios. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002. p. 121-164.

LOURO, Guacira Lopes. Marcas do corpo, marcas do poder. In: ______. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 75-90.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. Introduction. In: ______. Between men. English literature and male homosocial desire.New York: Columbia Univesity Press, 1985. p. 1-18.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Do delicioso horror sublime ao abjeto e à escritura do corpo. In: ______. O local da diferença. São Paulo: Editora 34, 2005. p. 31-44.

VILLAÇA, Nízia. Sujeito/abjeto. LOGOS, Rio de Janeiro, n. 25, p. 73-84, 2º sem. 2006.

ZILBERMAN, Regina. Existência urbana e ficção atual. In: ______. A literatura no Rio Grande do Sul. 3. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1992. p. 131-148.

Publicado
2018-11-05