Política indigenista e hegemonia: professores indígenas e “promotores culturais bilíngues” no México (1948 – 1970)

  • Lígia Duque Platero Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Política indigenista, México, educação bilíngue.

Resumo

Este artigo aborda a política indigenista do Instituto Nacional Indigenista (INI), no México, no período entre 1947 e 1970. Enfatizo a questão da participação dos promotores culturais bilíngues como mediadores culturais entre as comunidades indígenas e a sociedade nacional. Os promotores participaram do projeto de “integração”, nacionalização e modernização dessas comunidades, como parte de um processo de formação de hegemonia do Estado ampliado entre os povos indígenas. Neste artigo, utilizei documentos oficiais do INI, que foram comparados com os relatos do professor zapoteco bilíngue Otílio Vázquez, que participou da política indigenista do INI no período entre 1954 a 1973. Concluímos que a ação dos promotores culturais do INI nas comunidades teve um papel político fundamental na construção da hegemonia do Estado, pois os ocupantes desse cargo foram os principais negociadores entre o órgão indigenista oficial e as comunidades indígenas.

Publicado
2015-08-31