Argumentação em “Óbito do autor”: primeira parte do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

  • Fernanda Taís Brignol Guimarães Centro Universitário Ritter dos Reis / Universidade de Caxias do Sul
  • Neiva Tebaldi Gomes
Palavras-chave: Teoria da Argumentação. Sentidos. Argumentação interna. Encadeamentos normativos e transgressivos.

Resumo

Analisam-se, neste artigo, enunciados da primeira parte do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas: Óbito do Autor, a fim de refletir sobre os sentidos que emergem das memórias do locutor. Para tanto, tomamos como base orientações da Teoria da Argumentação na língua, de Oswald Ducrot e Marion Carel, mais precisamente, valemo-nos do conceito de encadeamentos: normativos, em PORTANTO, e transgressivos, em NO ENTANTO.  A análise revela que os sentidos produzidos no texto são acionados por meio dos termos “vida” e “morte”, cuja argumentação interna contribui para a construção dos argumentos do locutor, que, na maioria das vezes, apontam para a transgressão, frustrando a expectativa do leitor.

Biografia do Autor

Fernanda Taís Brignol Guimarães, Centro Universitário Ritter dos Reis / Universidade de Caxias do Sul
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Letras Associação Ampla UCS/UniRitter. Bolsista CAPES.
Neiva Tebaldi Gomes

Dr. Em Letras pela UFRGS. Participante do Grupo de Pesquisa “O ensino da leitura e da escrita pela perspectiva da Teoria da Argumentação na Língua”, coordenado por Leci B. Barbisan (PUCRS).

Publicado
2018-07-15
Seção
Artigos Inéditos