NEGRITUDE E DIREITOS HUMANOS NAS NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS:

REFLEXÕES ATUAIS DE UMA DIPLOMACIA CORPORATIVA ETNOSSOCIAL

  • Rafael Lisboa Santos UESC
  • Wagner de Oliveira Rodrigues UESC

Resumo

Ao falar de tradições, identidades e culturas no Brasil, observa-se que a grande parte das referências,
neste sentido, são europeias e estadunidenses - com pouquíssima abordagem latino-americana em nível de
conjuntura global. Contudo, ao se tratar das influências inter-regionais, há um claro processo de colonização
cultural que marca a invisibilidade de protagonismos sociais vulneráveis em todas as Américas. A falta de
pesquisas sobre a identidade sociocultural nas negociações internacionais leva os diplomatas corporativos a não terem respostas evidentes sobre como tratar de marcas, patentes e produtos que tenham o caráter identitário associado às suas práticas privadas. Diante disso, este trabalho tem a finalidade de notar possibilidades profissionais a respeito de ações em Negociações e Relações Internacionais que viabilizem a inclusão social dos povos negros em frente a possíveis cenários de diplomacia corporativa latino-americana. A metodologia e os materiais usados para a sustentação desta pesquisa foram as evidências em pesquisa-ação a respeito de organizações humanitárias, no Brasil e fora dele, que lutam pelo combate ao racismo. Com base nisto foram realizadas leituras de artigos e livros relacionados aos direitos humanos e a busca de contato real com empresas de marcas internacionais e/ou nacionais de produtos/serviços que promovem este segmento de combate ao racismo e à afirmação do povo negro. Deste modo, neste presente trabalho se evidencia o quão esclarecedor e importante são as representatividades de marcas que buscam ajudar no combate ao racismo e na visibilidade de pessoas negra por meio de setores privados internacionais. Dessa forma, os resultados alcançados mostraram algumas empresas e projetos que discutem as questões negras, a observação de ações internacionais em Negociações Internacionais que possam justificar o auto protagonismo da população negra, e a evidenciação das possibilidades do profissional em LEA-NI acerca de ações na sociedade civil organizada a destacar produtos culturais e econômicos voltados para a população negra, mostrando uma conexão de cunho humanitário, socioeconômico e etnotradicional.

Publicado
2019-12-18
Seção
Artigos